Skip to content

Bahamas Leaks

“Bahamas Leaks” mostram detalhes sobre empresas no paraíso fiscal.

Assim como no “Panama Papers”, dados foram enviados ao jornal alemão “Süddeutsche Zeitung” por fonte anônima.

O novo vazamento de dados expõe muitos políticos que usavam as Bahamas.

Foram divulgados documentos de offshores abertas nas Bahamas entre 1990 e 2016, referentes a mais de 175 mil empresas e fundações com sede no paraíso fiscal.

Entre os nomes de maior destaque que aparecem nos “Bahamas Leaks” está o da ex-comissária da União Europeia (UE) da Concorrência Neelie Kroes.

Além de Kroes, aparecem nos documentos os nomes de políticos como o ex-ministro colombiano de Minas Carlos Caballero Argáez, o ministro de Finanças canadense, William Francis Morneau, do vice-presidente angolano, Manuel Domingos Vicente, e da ministra do Interior britânica, Amber Rudd. A Federação Internacional de Tênis (ITF) figura também nos “Bahamas Leaks”.

Possuir offshores não é ilegal. Ilegal é não declará-las ou utilizá-las para cometer crimes, como lavagem de dinheiro ou evasão fiscal.

Há muitas razões para abrir uma empresa nas Bahamas, como isenção de impostos sobre os lucros, por exemplo.

Outro motivo é o anonimato, já que as informações compartilhadas pelo governo das Bahamas são limitadas.

Fonte: CN/ots